A Inveeeeeeja é uma M...?!

Acabo de ler posts sobre a inveja em 2 blogs ( "Fronteirices" e " Memórias e Poemas") e resolvi escrever tb! ( Não foi inveja não,viu?! rs Foi inspiração! :-) )

Eu era bem criança ainda, mas a inveja já me consumia. Minha melhor amiga tinha uma casa linda, espaçosa,maravilhosa, arejada, ensolarada, bem decorada,com terraços onde se podia pegar sol, um quarto umas 3 vezes maior que o meu e um banheiro só pra ela! Pra completar o quadro, estudávamos num colégio católico ultra-tradicional onde tínhamos aulas de religião aprendendo o que?! Isso mesmo, que a inveja é pecaaaaado, e CAPITAL! À inveja se somava a CULPAAAAA não só de pecar gravemente, mas sobretudo por o alvo ser a minha MELHOR amiga.Algo dentro de mim não assimilava bem esses fatos.Se ao menos eu estivesse invejando uma inimiga, uma desconhecida....tudo teria sido mais fácil de se metabolizar,mas que espécie de traíra era eu, de ser capaz de invejar minha confidente, minha amiga em tempo integral?! Eu estava horrorizada comigo mesma!

Minha mãe, que sempre teve umas sacadas verdadeiramente fenomenais, percebeu que eu estava, to say the least, pra lá de esquisita.Insistiu em saber o que era e finalmente conseguiu arrancar minha confissão."Ah, é isso?!" -disse ela, com ar de estar visivelmente esperando coisa bem pior. ( Sempre que ela agia dessa forma, com um absoluto desdém pela suposta gravidade do meu problema, eu já começava a me acalmar instantaneamente.Pensando bem agora, isso deve ser uma refinada técnica psicológica...Chega alguém consumido por uma problemática e você, de saída, já solta um " Aaaah, é só isso?! Ufa, vc me assustou!" e os ânimos já começam a se arrefecer num passe de mágica! Imaginou?! ;-) )


" Então olha aqui- continuou ela-se você quer invejar, inveje, mas inveje direito! Pois bem, a casa dela é maior, mais bonita, o quarto dela dá uns 3 do seu, ela tem um banheiro todinho dela, blá blá blá, é verdade, mas antes de se entregar a esse sofrimento todo você precisa aprender a relativizar um pouco as coisas.Por exemplo? Já reparou os dentes dela?A arcada dentária dela é um horror, dentes acavalados, um deles fica em pleno céu da boca! Ela usa aparelho fixo, daqueles que parecem um bridão! Além de ser muito desconfortável, vai demorar horrores pra ficar direito.Você já reparou os seus próprios dentes? São perfeitos, certinhos, você não vai precisar usar aparelho nenhum! Já reparou os olhos dela?Pois bem, caso não tenha reparado, a coitada usa óculos fundo de garrafa, bifocais já aos 8 anos de idade, nem seu avô usa uma coisa dessas!!! E o tampão? Não é possível que vc não tenha reparado que tadinha, ela é estrábica, precisa usar tampão num olho para estimular o outro! A sua visão é perfeita, vc nem precisa usar óculos!Onde já se viu?!Vem cá, você tem certeza que está invejando certo?! Inveje também os defeitos, ora bolas!" e, tendo dado o seu recado, saiu balançando a cabeça como que dizendo " Cruzes, que idéia!!!"

Como diz a sabedoria popular, " o que não mata, fortalece" e felizmente a terapêutica de choque da minha mãe, ao invés de me fazer afundar ainda mais nas areias movediças da culpaa por ter invejado uma " coitadinha", operou um milagre: fui curada instantaneamente da inveja ao perceber que, vista a questão por outro ângulo, a invejável seria eu! E quem sabe a minha melhor amiga não me invejasse secretamente pelos meus dentes certinhos e minha visão perfeita?! ( Naquela época minha mãe estava coberta de razão, minha inveja era muito mal administrada.Eu invejava as meninas que usavam óculos e que eram mais baixas do que eu pq essas tinham o privilégio da vaga cativa nas melhores posições da classe, as bem na frente, na cara do professor.Eu, como enxergava bem e não era nem baixinha e nem girafona, ficava sempre no meio da sala, odiava isso porque nem bem estava lá no pelotão de frente assistindo à aula de camarote como também não estava no fundão da sala, onde era mais possível papear durante a aula, desenhar, trocar bilhetinhos....Sem falar que, juro, eu achava de um charrrme absurdo poder usar óculos E aparelho.Acho que era fixada na estética nerd muito antes dessa onda geek, sou uma visionária! rs)

Brincadeiras a parte, a terapia zás-trás da minha mãe foi muito bem aproveitada.Aprendi a relativizar e foi ótimo porque a inveja realmente cega, não deixa a gente enxergar um palmo a frente do nariz.Além disso, cada pessoa é um kit, não dá pra separar uma coisa da outra.Você vai invejar a picape cabine quíntupla do seu camarada?! Beleza...mas putz, cara, só você ainda não sabe que ele é broxa! Tadinho...tudo bem que agora tem Viagra, mas mesmo assim né?!

Posteriormente me dei conta da lição chave-de-ouro do Caetano: " Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é....não me olhe como se a Polícia andasse atrás de mim...."

1 comentários :

julimor2000 disse...

Oi, aqui é Fronteirices falando. Inveja, ah, inveja...não dá nem pra ser um pecado gostoso igual a luxúria. Este a gente ainda consegue escapar, pega um milênio de caldeirão borbulhante no inferno, mas inveja dá uns 50 mil anos no mínimo. Pior ainda é quando não dá pra contrabalancear como o exercício que sua mãe fez com você (a menina tinha um quarto lindo e grande, mas dentes horrorosos). Eu confesso que já senti inveja. Confesso que ainda sinto umas pontadas. Tem uma menina que conheço há uns 15 anos. Ela tem tudo: é linda, inteligente, viajada, artisticamente talentosa, escreve maravilhosamente bem para diversas publicações internacionais, se casou com um homem incrível, largou a vida corporativa para criar a empresa dela de terapias alternativas para uma vida saudável...e me roubou um paquera no passado, ahahaha. Acho que nunca consegui superar, mas admiro esta menina ao máximo. A verdade é que, como indiquei no meu blog, o sucesso dela me inspira. Quero mais é que ela continue a crescer e a ser feliz (de verdade, juro). Inveja pode servir de anabolizante para sairmos da nossa mesmice.